domingo, março 30, 2008

Devworks: Entrevista com Marcelo Carvalho

A Devworks é uma empresa Brasileira que desenvolve jogos para diversas plataformas e atualmente tem direcionado o seu foco para mundos virtuais e jogos online. Fundanda em 1999, a Devworks é dirigida até hoje pelos seus sócios fundadores, engenheiros de computação formados pelo ITA, com grande experiência no mercado em que atuam, inclusive com publicações internacionais. O faturamento anual da empresa é de R$1 milhão.

Marcelo Carvalho
é Sócio Fundador da empresa, foi também Presidente da ABRAGAMES (2005-2006). No 2007 coordenou a equipe de produção para o lançamento do Second Life no Brasil. É formado Engenharia de Computação no ITA e possui mestrado Inteligência Artificial (Jogos eletrônicos) no Instituto de Matemática e Estatística da USP.

Obrigado Marcelo por conceder gentilmente esta entrevista!!!

(S.B) Imagino que produzir um vídeo game envolve a participação de uma equipe interdisciplinar. De certa forma poderíamos fazer algum tipo de analogia com a produção de um filme, onde existem os roteiristas, equipes de filmagem, atores, diretor, especialistas em som, vestuário, etc. Como é o processo criativo de desenvolver um jogo de vídeo game?

(M.C) É realmente algo tão complexo quanto um filme, o processo criativo acaba correndo em várias etapas e por diversas pessoas. Geralmente o "Lead Game Designer" é responsável pela criação do jogo, junto com diretores criativos, outros game designers e os level designers (que projetam as fases/mapas do jogo). Mas, na prática, existe a participação de um número muito maior de pessoas. Para citar exemplos, o produtor e o produtor executivo participam trazendo uma visão de negócios ao processo criativo, também os gamemasters recebem o feedback da comunidade, os artistas criam todos os elementos visuais do jogo e por aí vai. Como o jogo é criado e produzido com muitas mãos (inclusive a dos usuários), é preciso pessoas experientes no corpo executivo para garantir que exista foco e que o jogo aconteça dentros dos prazos e custos agendados.

De que forma a Devworks investe na produção de jogos (desenvolve por encomenda, cria um projeto e investe na sua produção apostando no seu sucesso)?

Por muito tempo, a Devworks desenvolveu jogos sob encomenda, na forma de serviços, e mesmo tendo sido bem sucedida nesse período, a vocação da empresa sempre foi a criação de produtos voltados para o mercado consumidor. Durante esse período, a empresa experimentou um grande amadurecimento o que a permitiu migrar para esse modelo voltado a produtos, onde seu principal foco hoje está direcionado ao mercado online. A vantagem maior desse modelo é o ganho de escala nos resultados financeiros, uma vez que são realizados grandes investimentos no desenvolvimento e na publicação, mas um grande sucesso em termos de usuários e receita não implica em grandes custos operacionais. É um modelo de alto retorno e de alto risco, porém esse risco pode ser muito minimizado se o jogo é desenvolvido com profissionais experientes (como fazem as empresas fora do Brasil).

Qual o tamanho (em r$) do mercado de vídeo games Brasileiro? E como se posiciona a Devworks neste mercado?

Infelizmente, não existem pesquisas que forneçam informações precisas do mercado brasileiro, mas estima-se que seja um mercado de pouco mais de 250 milhões de Reais e com um grande potencial ainda a ser explorado.Boa parte dessa receita hoje se encontra na mão de empresas que trazem jogos do exterior e publicam no Brasil, enquanto os desenvolvedores brasileiros ainda respondem por uma fatia pequena desse total. O motivo principal é justamente a falta de recursos financeiros, uma vez que o custo de licenciamento de um jogo é menos de 5% ou 10% dos custos de desenvolvimento do mesmo. A Devworks é uma empresa de desenvolvimento e somente publica seus próprios jogos. Dentre os desenvolvedores brasileiros, a empresa ocupa posição de destaque, sendo considerada uma das principais empresas estabelecidas. E uma das poucas de toda a indústria de jogos brasileira que possui histórico de relativo sucesso em produtos desenvolvidos e publicados no Brasil (outras apresentam sucesso com serviços, outras com publicação de produtos, porém desenvolvidos no exterior e outras prometem sucesso porém seu produto ainda se encontra em desenvolvimento).

O desenvolvimento de um vídeo game requer de financiamento, e dinheiro sempre é um recurso escasso. Como a Devworks escolhe os projetos nos quais investir?

Por vezes, em outras empresas, existe um envolvimento emocional maior em um projeto de jogo do que em um projeto de software, justamente porque o jogo mexe com a fantasia das pessoas e apresenta muitas questões aparentemente subjetivas. Como também não acontece no mercado de software, alguém que dedica muito tempo a jogar costuma se sentir um especialista e capaz de opinar no processo de produção de um jogo. E mesmo alguns desenvolvedores com alguma experiência por vezes entram no ciclo de desenvolver jogos para eles próprios e não para seus usuários. Essas e outras questões costumam explicar o fracasso de diversos produtos. Mas a verdade é uma só. O processo de análise de investimento de um jogo é (e precisa ser) exatamente igual ao de outras indústrias. A Devworks escolhe seus projetos essencialmente baseando-se nos riscos envolvidos e no seu potencial de retorno, além do alinhamento dos mesmos com a estratégia e missão da empresa.

Atualmente existe alguma linha de credito do governo para fomentar empresas como a Devworks?

Existem linhas de crédito do governo, mas nenhuma ainda focada em empresas que desenvolvem jogos eletrônicos. Mas existem alternativas que acabam se encaixando por mais que o acesso a elas não seja trivial e exija garantias. Existem linhas de financiamento não-reembolsáveis, essas são geralmente voltadas apenas a custos com pesquisa. Dentre as reembolsáveis, existem algumas oportunidades na FINEP e no BNDES (estuda-se atualmente a produção de linhas mais voltadas para os jogos, assim como existe no cinema). A presença de um investidor costuma simplifcar o acesso a algumas linhas também, uma vez que isso acaba sendo interpretado como uma forma de garantia por parte das financiadoras.

Marcelo, segundo suas projeções, para onde você acredita que o mercado de vídeo games no Brasil esta caminhando?

O mercado de vídeo games no brasil está ganhando contornos muito particulares. Como os consoles de videogame e os PCs sofrem de pirataria e de problemas com tributos, os mercados de celular e online ganharam mais força. Já é possível citar hoje caso de jogo online que tenha faturado mais de 5 milhões de Reais em 1 ano no Brasil. É claro que isso está bem loja do pico internacional, onde um único jogo online ("World of Warcraft") faturou mais de 1 bilhão de dólares em 2007. Mas esse exemplo esclarece bem porque a indústria de desenvolvimento de jogos no Brasil pode ser muito grande. Porque um jogo online que desenvolvido aqui seja sucesso no Brasil, pode ser publicado internacionalmente com custo muito baixo, uma vez que para sua operação no exterior o mesmo só exige o hosting (cujos custos nos EUA são até menores que no Brasil), o suporte em inglês (que pode ser pequeno e crescer gradualmente com o sucesso do produto), a tradução do jogo e do site para inglês (onde os custos não são significativos) e a adaptação do sistema de cobrança (muitas empresas já fornecem essa solução pronta no exterior sem custos fixos). É claro que é preciso incluir a questão do marketing nessa conta, mas é muito comum observar produtos que deram muito certo com verbas de marketing pouco expressivas. Existem muitos modelos de negócio possíveis nesse mercado de jogos online, mas é comum ver jogos que funcionam no modelo de assinatura e cobram mensalidade de US$14,90. Para um jogo produzido no Brasil e publicado internacionalmente, não seria muito difícil atingir 35.000 assinantes, o que já significaria uma receita de mais de 10 milhões de Reais no ano. E sempre existe o risco de que esse número seja muito maior. Por isso que, apesar de saber que diversos segmentos de jogos irão se desenvolver aqui no Brasil, acredito que haverá mais dinheiro sendo investido no desenvolvimento de jogos online nos próximos anos, quando ficar mais vísivel para empresas e investidores o tamanho do potencial que existe no mercado internacional (existe o caso de jogos que receberam investimentos significativos e um deles será lançado ainda esse ano no Brasil e internacionalmente em 2009. Um eventual sucesso desse jogo poderia antecipar o início da corrida dos investimentos no setor).

Se você tivesse que enumerar as principais dificuldades que o negócio de vídeo games (e a Devworks) enfrentam no Brasil, quais seriam?

Do ponto de vista do desenvolvimento, o principal problema é a ausência de recursos financeiros no setor. Porém outras dificuldades existem como o caso da falta de profissionais especializados (problema esse que vem sendo resolvido com o passar do tempo). Alguns desenvolvedores sofrem com problemas de pirataria e impostos, problemas esses que não existem de forma crítica nos jogos para celular e principalmente nos jogos online (quando uso o termo "jogos online", geralmente estou fazendo referência aos MMOGs, Massive Multiplayer Online Games). Nos jogos multiplayer, o "controle da licença" do usuário se encontra no servidor (não na máquina do usuário) e por isso a pirataria não afeta esse mercado.

Veremos em algum momento a Devworks com capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo?

Veremos isso acontecer um dia sim, mas essa realidade ainda não se encontra no curto em no médio prazo da empresa.

Se um investidor estiver interessado em participar financeiramente no desenvolvimento de um vídeo game, e obviamente depois participar porcentualmente em parte dos lucros. A Devworks possui algum tipo de canal para receber aos investidores interessados?

Durante os últimos anos, a Devworks trabalhou no sentido de se preparar para receber grandes investimentos, porém até o momento sem realizar nenhuma busca nesse sentido. Recebendo investimentos prematuramente, os riscos seriam desnecessariamente maiores e a empresa poderia ser sacrificada nesse processo (como aconteceu com outras empresas do mercado de jogos). O momento hoje é diferente e a empresa se encontra em fase final de preparação de um produto voltado a mundos virtuais e jogos online visando o mercado internacional. O primeiro grande sucesso dos mundos virtuais, o Second Life propõe a criação de um mundo virtual de propósito genérico. Existem grandes investimentos de capital de risco no exterior voltados na direção de outros mundos virtuais, alguns de propósito mais específico. E é nessa mistura de mundos virtuais e jogos online, que a Devworks pretende captar investimentos para lançar um ousado produto internacional. Para tanto, a empresa ainda não possui canal específico para receber os investidores, mas pode receber o primeiro contato através do e-mail contato@devworks.com.br.

(Abaixar o arquivo com a entrevista completa)

Mais uma vez, Obrigado Marcelo...
Boa Semana, Bons Negócios!


2 comentários:

Ramir disse...

A devworks faliu ?
Pois o site dela ta totalmente desatualizado, as notícias são de 2004!

Stock Buster disse...

Não que eu saiba Ramir.